SUBSTANTIVOS CONCRETOS E ABSTRATOS

"Muita gente me pergunta o seguinte: calor, frio e vento são substantivos concretos ou abstratos? O que responder?"

Pensando bem, é pouco relevante, para quem quer apenas desenvolver uma boa redação, saber a diferença entre substantivos concretos e abstratos, razão pela qual pouco tenho me preocupado em trazer questões sobre tais assuntos para esta coluna. Mas como exercício intelectual é interessante. E faz parte do processo de ensino-aprendizagem da língua nacional na escola. Por isso tentarei dar uma resposta ao professor.

Certamente não foi ou não é fácil perceber a diferença entre eles, e portanto há divergência de entendimentos e de explicação nos livros de gramática. "A distinção entre concretos e abstratos é mais filosófica do que lingüística e, dentro da filosofia, muito fugidia" (Mattoso Câmara Jr.).

Pode-se afirmar que são concretos os substantivos que se referem a seres materiais ou espirituais, reais ou fictícios: casa, cor, dente, leão, Deus, saci-pererê, fada, alma, triângulo, o amigo, o diplomata, (o) japonês, (o) brasileiro etc.

São substantivos abstratos os atributos, estados, qualidades e ações, derivados de um conceito original. Eles não existem por si sós. Não possuem forma. Digamos que não podem ser desenhados, uma vez que não transmitem uma imagem. Assim, calor e frio são abstratos, gramaticalmente falando, embora nós os sintamos de modo concreto. São também abstratos todos os substantivos que exprimem sentimentos e emoções - qualidades da alma. Você pode desenhar um homem triste, uma mulher vaidosa, mas não a tristeza ou a vaidade, por exemplo.

Revendo: vento (ou ventania) é conceito original, não é atributo (e para uma criança tem uma certa forma - ela consegue desenhá-lo, sem dúvida). É, portanto, concreto. Já calor e frio (=frieza) são atributos, da mesma forma que amor, tristeza, alegria, saudade, brancura, consolo, maciez, pobreza e admiração, todos substantivos abstratos.

Quando os alunos já conhecem bem os conceitos de verbo, adjetivo e substantivo, sua forma e função, é possível mostrar-lhes que são ABSTRATOS os substantivos derivados de duas outras classes: do adjetivo e do verbo. Pode o professor apresentar exemplos e exercícios mais ou menos assim:

Estou sempre contente. [adjetivo] à Meu CONTENTAMENTO é enorme.

Mirtes fica aborrecida por pouco. [adjetivo] à Seu ABORRECIMENTO é deplorável.

O chefe se mostrou satisfeito conosco. [adjetivo] à A SATISFAÇÃO dele resultou em

aumento salarial.

Está um dia muito quente. [adjetivo] à O CALOR de hoje está insuportável.

Admiro seu trabalho. [verbo] à Minha ADMIRAÇÃO por seu trabalho é grande.

Quero felicitar você. [verbo] à Desejo-lhe FELICIDADES.

Vendeu apenas quatro livros. [verbo] à Foi fraca a VENDA dos livros.

Três pessoas caminharam até o alto da montanha. [verbo] à A CAMINHADA foi difícil.

Por outro lado, não se poderia formar verbos e adjetivos de substantivos como leão, casa, lápis, saci, ar, vento, não é mesmo? Então, é possível dizer que os substantivos que não dão nenhuma idéia de qualidade, atributo ou ação e que não são formados de nenhuma outra classe de palavras são substantivos concreto.

 

o uso do porquê

 Há quatro maneiras de se escrever o porquê: porquê, porque, por que e por quê. Vejamo-las:

01) Porquê:

É um substantivo, por isso somente poderá ser utilizado, quando for precedido de artigo (o, os), pronome adjetivo (meu(s), este(s), esse(s), aquele(s), quantos(s)...) ou numeral (um, dois, três, quatro)

Ex.

  • Ninguém entende o porquê de tanta confusão.
  • Este porquê é um substantivo.
  • Quantos porquês existem na Língua Portuguesa?
  • Existem quatro porquês.
02) Por quê: Sempre que a palavra que estiver em final de frase, deverá receber acento, não importando qual seja o elemento que surja antes dela.

Ex.
  • Ela não me ligou e nem disse por quê.
  • Você está rindo de quê?
  • Você veio aqui para quê?
03) Por que: Usa-se por que, quando houver a junção da preposição por com o pronome interrogativo que ou com o pronome relativo que. Para facilitar, dizemos que se pode substituí- lo por por qual razão, pelo qual, pela qual, pelos quais, pelas quais, por qual.

Ex.
  • Por que não me disse a verdade? = por qual razão
  • Gostaria de saber por que não me disse a verdade. = por qual razão
  • As causas por que discuti com ele são particulares. = pelas quais
  • Ester é a mulher por que vivo. = pela qual
04) Porque: É uma conjunção subordinativa causal ou conjunção subordinativa final ou conjunção coordenativa explicativa, portanto estará ligando duas orações, indicando causa, explicação ou finalidade. Para facilitar, dizemos que se pode substituí-lo por já que, pois ou a fim de que.

Ex.
  • Não saí de casa, porque estava doente. = já que
  • É uma conjunção, porque liga duas orações. = pois
  • Estudem, porque aprendam. = a fim de que

 
Predicação Verbal
.

É o estudo do comportamento do verbo na oração. É a partir da predicação verbal que analisamos se ocorre ação ou fato, se existe qualidade ou estado ou modo de ser de sujeito.

Quanto à predicação verbal, os verbos podem ser:

  • Intransitivos
  • Transitivos
  • De Ligação
Os transitivos e os intransitivos são também denominados verbos significativos.



Verbos Intransitivos


São verbos intransitivos os que não necessitam de complementação, pois já possuem sentido completo. Observe estas frases, retiradas de manchetes de jornais:

Rei Hussein, da Jordânia, morre aos 63.

24 mil casam-se ao mesmo tempo.

2ª parcela do IPVA vence a partir de hoje.


Perceba que esses verbos não necessitam de qualquer elemento para complementar seu sentido, pois quem morre, morre, quem se casa, casa-se e aquilo que vence, vence.

Há verbos intransitivos, porém, que vêm acompanhados de um termo acessório, exprimindo alguma circunstância - lugar, tempo, modo, causa, etc. O estudante não deve confundir esse elemento acessório com complemento de verbo. Observe esse exemplo:

Governador diz que irá a Brasília para reunião.


Aparentemente, o verbo ir apresenta complementação, pois quem vai, vai a algum lugar, porém lugar é uma circunstância e não complementação, como à primeira vista possa parecer.

Todos os verbos que indicam destino ou procedência são verbos intransitivos, normalmente acompanhados de circunstância de lugar - Adjunto Adverbial de Lugar. São eles ir, vir, voltar, chegar, cair, comparecer, dirigir-se.... Esses verbos admitem as preposições a e de; esta para indicação de procedência, aquela para a indicação de destino.

Outros exemplos:

  • O avião caiu ao mar.
  • Cheguei a casa antes da meia-noite. Nessa frase não ocorre o acento indicador de crase, pois a palavra casa só admite o artigo quando estiver especificada: Cheguei à casa de Joana.




Verbos Transitivos


São verbos que necessitam de complementação. pois têm sentido incompleto. Observe as orações:

O Santos venceu o Corinthians.

Cliente reclama de promoção da BCP.

Medida em estudo dá alívio para os Estados.


Perceba que os três verbos utilizados nos exemplos necessitam de complementação, pois quem vence, vence alguém, quem reclama, reclama de algo e quem dá, dá algo a alguém. A complementação, porém, dá-se de três maneiras diferentes: na primeira, o verbo não exige preposição, mas na segunda, sim, e, na terceira, há dois complementos, um com preposição, outro,sem. Quanto a isso, os verbos são:

Transitivos diretos: exigem complemento sem preposição obrigatória. O complemento é denominado objeto direto.

  • Presidente receberá governadores.
  • Falta de verbas causa problemas.
Transitivos indiretos: exigem complemento com preposição obrigatória. O complemento é denominado objeto indireto.

  • Eleitor não obedece à convocação do TRE.
  • População ainda acredita nos políticos.
Transitivos diretos e indiretos: possuem dois complementos; o objeto direto e o objeto indireto.

  • Governador perdoa a Deputado traição do passado.
  • Empresário doa rendimentos do mês à UNICEF.
Junto de verbo significativo pode surgir uma qualidade do sujeito ou uma qualidade do objeto. Esta denomina-se predicativo do objeto; aquela, predicativo do sujeito. Veja estes exemplos:
O professor entrou revoltado naquela tarde.
Maria morreu feliz
.



Verbos de Ligação


São verbos que servem como elementos de ligação entre o sujeito e uma qualidade ou estado ou modo de ser, denominado Predicativo do Sujeito. Os principais verbos de ligação são ser, estar, parecer, permanecer, ficar, continuar. Não decore quais são os verbos de ligação, e sim memorize o significado dele:

Verbo de ligação é aquele que indica a existência de uma qualidade do sujeito, sem que ele pratique uma ação.

Investimento direto será menor em 2003. Matéria-prima fica mais cara.


Quando o verbo indica ação, além de qualidade do sujeito, é denominado transitivo ou intransitivo, mesmo que haja predicativo do sujeito.

Seleção volta abatida da Ásia.


Nesse exemplo o verbo não é de ligação, pois está indicando uma ação - quem volta, volta de algum lugar, mesmo que haja o predicativo do sujeito abatida. É, então, um verbo intransitivo, já que da Ásia é Adjunto Adverbial de Lugar. Conclui-se que pode haver predicativo do sujeito sem que haja verbo de ligação.

[ ver mensagens anteriores ]

OLA AMIGOS QUE NAVEGAM NESTE SIMPLES BLOG: MEU NOME: Raimundo N. Pereira CIDADE: São Luís ESTADO: MA IDADE: 27 ANOS Signo: Escorpião Estudante de Pedagogia MUSICA: MPB










Vaga-Lume Letras de Músicas e Cifras




DIGA O QUE ACHA DE NOSSO SITE!







downloads
últimas notícias
Loterias
Jogos Online
Fotos







Meu Perfil
BRASIL, Nordeste, SAO LUIS, OUTEIRO DA CRUZ, Homem, English, Informática e Internet, Livros, Fazendo trabalhos acadêmicos
ICQ - 349462550
Ubbi Busca
Ubbi Fórum
Cidade Internet

Artes e Cultura
Ciência
Computadores
Educação
Entreterimento
Esportes
Notícias
Notícias e Mídia
Regional
Saúde
Sociedade
Turismo







O que é isto?
Leia este blog no seu celular